28 comentários em “7 dicas práticas para quem pretende entrar no seminário

  1. Eu sou seminarista, do 2º ano de teologia. Gostei do texto, mas não creio no exageros. O seminário é sim um tempo de formação e crescimento. Fiquei com a impressão de que no seminário é o lugar mais cruel do mundo. Nem todo abraço significa desejo. Acho que isso é redução do sentido da amizade, tão querida para a vida sacerdotal. Não sei qual a experiência dos ex-seminaristas que você conhece, mas sei que esta leitura da vida no seminário não é tão real assim. Há muitos conselhos uteis e realmente necessários para o seminarista, mas não podemos esquecer que o seminário é um lugar de formação (intelectual, pastoral, humana e espiritual) e reduzir as relações humanas a um desejo carnal soa um pouco forte. Tenho grandes amigos no seminário e amizades que me fazem muito bem, me dão o suporte para viver a minha vocação. A minha leitura foi feita do outro lado, ou seja, li como seminarista, não como vocacionado ao seminário, talvez seja por isso que me soou estranho. Me perdoe por deixar um comentário,que pode soar como resposta agressiva, apenas quero esclarecer que o seminário não é um lugar tão ruim assim. Existem pessoas muito boas e com reta intenção, que lutam todos os dias para ser bons seminaristas hoje e melhores padres amanhã. Não vamos reduzir o seminário a uma república universitária…

    • Ótima contribuição. O objetivo é mostrar um lado do seminário que normalmente não se fala. Você falou de tudo o que o seminário é no sentido positivo e é esse sentido que todos conhecemos. Não quis apresentar uma visão radical, mas uma posição menos “ilusória” para contrabalancear. Certamente o seminário não é tudo isso que pintei.

      • Tem que começar a ir para á Igreja, para o padre lhe mandar para os Encontros Vocacionais…

      • sim e so falar com o padre de sua paroquia,e falar com ele para participar dos encontros vocacionais.

  2. Olá!
    Gostei do texto e penso que é oportuno. Muitos jovens ingressam no seminário com a ilusão de que lá tudo é correto e todos santos. Outros, e cada vez estes aumentam, entram pela ilusão estética, do poder emprenhado nas vestes e nas liturgias que celebram. Creio que a verdadeira vocação deve vir acompanhada de um sincero desprendimento e de um “despir” de toda ostentação. Tudo isso é aprendido e incorporado com o tempo. Por isso a necessidade de formadores corretos e com autêntico zelo pastoral. Não se escandalizar com certas realidades, muitas vezes, é difícil, pois todas as nossas experiências vêm do espanto ou do encanto; o jovem candidato à vida religiosa-sacerdotal precisa buscar meios de trabalhar as novas informações de modo a não deixar que elas comprometam seu objetivo primeiro. E é por isso que a Igreja, em seus documentos oficiais sobre a formação, exige que todos os seminários disponham de uma sólida orientação psicológica e espiritual, em grupo e individualmente. Sobre o estudo, penso que é de suma importância a dedicação e a disciplina, pois o que vemos em nossas comunidades paroquiais são padres despreparados para o cultivo do humano e de suas relações, assim como padres que desconhecem muito sobre a Igreja e, principalmente, sobre suas orientações básicas. Claro, não se deve deixar de lado a espiritualidade e a pastoralidade, ambas devem ser trabalhadas de modo a complementar a formação integral do seminarista. Outros dois aspectos importantes contidos no texto acima são o esporte e a alegria. O esporte para que nosso corpo esteja preparado para a missão cotidiana, que exigirá muito dos padres. Saúde é fundamental para que o serviço às comunidades seja bem realizado. A alegria deve ser o segundo nome de cada seminarista. Quem não é feliz servindo a Deus não pode ser padre. Quem acreditará numa pessoa triste e carrancuda quando ela estiver falando sobre o Reino de Deus e sua felicidade eterna? Por fim, algo com o qual se deve ter muito cuidado. Quando o autor do texto se refere à “politicagem”, acredito que esteja falando da má política, aquela inescrupulosa e mesquinha. Toda a relação humana está imersa em política e isto deve ser um dos principais esforços do pastor: praticar e fazer com que seu povo pratique a boa política, aquela que, segundo São Tomás de Aquino, é uma arte de congregação de forças, de formulação de convencimentos e de elaboração de visões e projetos em vista do Bem Comum. A política é extremamente necessária para que, aqui em nosso mundo, possamos construir a Civilização do Amor. Parabenizo-o pela iniciativa e agradeço pelo aparte.

    Paz e Bem!

  3. Pingback: Os 10 posts mais legais do ano « Sentinela no escuro

    • Acredito que a melhor coisa é perguntar para seu pároco, pois ele vai estar ciente de sua vontade de entrar no seminário e poderá te ajudar melhor.

    • Lucas tenho sua idade e tambem quero ir para o seminario existe seminarios menos q os candidatos sao entre 11 e 17 anos como o seminario menor sao tarcisio em sp capital, entre outros e so pesquisar eu acho q vocacao e algo q deve ser pensado com muita calma,fica em paz.
      E me add la no face Flavio Ysmael

  4. Lucas Vitorino, eu já vi em alguns sites que dizem no minimo 17 anos e ter terminado o Ensino Médio…

    Se alguém que tiver o conhecimento exato sobre esta pergunta e ver que estou errado, por favor me corrija.

  5. Então,sou candidato a entrar no seminário propedêutico e tenho 18 anos,estou fazendo meu ultimo ano de encontros vocacionais e só não entrei no seminário com 17 anos por que não participava em nada de minha paróquia,além de apenas ir na missa mas isso não me ajudava em nada e como hoje já sou acólito em minha paróquia,já posso entrar no seminário o ano que vem.mas já respondendo a sua pergunta,é nessa faixetária mesmo que pode-se entrar em um seminário,com 17 anos,desde que o vocacionado já tenha participado de algum movimento ou ajudado em algo na sua paróquia,tipo ser coroinha,em fim… não que seja exigido isso mas seria importante para os padres e aos vocacionados que sentem o chamado a vida sacerdotal.

  6. A muito bem vocês que querem ser ministros de DEUS na terra isso e como sem duvidas uma das maiores honra que um ser humano pode conceber ENTAO VAMOS === deveres e qualificações dos MINISTROS DE DEUS ==ao presbítero ou seja ao sacerdote -tem que ser alguém que seja irrepreensível’ marido de uma so mulher’ que tenha filhos crentes que não são acusados de dissolução nem são insubordinados–PORQUE e indispensável que o BISPO’ seja irrepreensível como despenseiro de DEUS’ não arrogante ‘ não irasciavel’ não dado ao vinho ‘ nem violento ‘nem cobiçoso de torpe ganancia -antes’ hospitaleiro amigo do bem’ sobrio’ justo piedoso que tenha domínio de se ==Apegado a palavra fiel que e segundo a doutrina’ que tenha poder tanto para exortar pelo reto ensino como para convencer os que o contradizem=== e agora este e como sem duvidas o verdadeiro ensinamento de como deve ser um verdadeiro ministro de DEUS na terra = vamos la continuando a verdadeira igreja de DEUS ‘E COLUNA E BALURTE DA VERDADE-pois aquele que foi manifestado na carne’ foi justificado em espirito’ contemplado por anjos’ foi pregado entre os gentios’ crido no mundo’ RECEBIDO NA GLORIA’-ora o espirito afirma expressamente que’ nos últimos tempos ‘ muitos aposta-tarao da fe ‘ por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios -pela hipocrisia dos que. falam mentiras e que tem cauterizada a própria consciência. que proíbem o casamento e exigem abstinência de alimentos’ que DEUS criou para serem recebidos . com ações de graças pelos fieis e por quantos conhecem plenamente a VERDADE= bem os senhores que querem ser ministro de DEUS AQUI terra agora já tem um pouco de conhecimento mas o conhecimento verdadeiro proponho aos senhores ler a SANTA E GLORIOSA PALAVRA DE DEUS NA BIBLIA e não a ensinos de homens veja o que realmente JESUS QUER DE VOCE tudo o que você possa imaginar você encontrara as respostas na BIBLIA –a quem tiver interesse e tiver duvidas coloque um parecer aqui e eu te responderei com prazer == que a graça do SENHOR JESUS esteja com todos e eu digo AMEM

  7. Olá Lucas Vitorino, td bom?
    Vc pod entrar no Seminario aparti do ensino medio(1° ano do ensino medio),uma dica,não escute cabeça de nimgem,vá pelo seu coração, e peça intercção da Virgem Maria para que ela te ilumine na suas escolhas.
    Abraços,
    ex-Seminarista Dehonista do Seminario de Lavras/MG

  8. No Sminário,tal como em todo o sítio,existm pssoas boas e más,o q lva muítos a não entndr a realidad encontrada,porq como alguém já diss muíto bm,lvam consigo a ideia d q o Sminário é o paraíso trreno,mas n,tambm tm difc..O. Seminário é um bom e favorávl lugar para a formação daqles q almjam a vida religiosa ou presbitrial.O q inflizmnt a acontc às vzs é q os formadors veêm os Seminaristas como mros estudants d um Sminário,n formando-os bm;daí q dv s cuidar das vocacões.*Ex. Seminarista Salesiano*

  9. eu me chamo lucas tenho 16 anos e com 18 anos vou ser seminarista queria uma ajudar de voces para me darem umas dicas boas entrem no meu facebook e me adicionam mensageiro de cristo

  10. La no seminário as dispensa são cuteada por quem pelo seminário ou pela igreja ou pelo Vocaciona. Exemplo compra túnica sobrepeliz

  11. Oi, gostei das dicas, achei úteis. Iniciei esse ano o convívio vocacional, estou gostando muito. Se alguém quiser me adicionar no Facebook Luiz henryke de Almeida.
    Paz e bem a todos!!!

  12. boa noite sou candidato ao seminario mas gostaria de uns conselho chama no face
    junior henrique da silva souza

  13. CONTINUANDO O COMENTARIO….
    Não aguentei a bucha e saí… 2 anos mais tarde conheci os Estigmatinos em Guarapuava, UMA CONGREGAÇÃO EXCELENTE, eles cuidam muito bem dos seus confrades sejam propedeutas, aspirantes, postulantes (ambos estudantes de filosofia), noviços e professos (teologos). Os “seminaristas” (uso aspas por que em congregação religiosa, em canone, adota-se outro nome) tinham plano de saúde, estudavam em instituições respeitáveis como PUC, ITESP, Colégio Objetivo fazem pastoral desde o 1 ano de filosofia, durante a semana seguem o regimento da casa e nos fins de semana vão para outras paroquias (inclusive diocesanas) para realmente ajudar os padres, no fim do mes recebem uma ajuda de custo (pequena, mas suficiente para adqurir produtos pessoais e até sair com os confrades). O “seminarista” era tratado com zelo e com carinho, era visto como o futuro padre. Cobrava-se muito, (seguia-se o preceito biblico, a quem muito é dado…), havia diálogo, partilha dos problemas, o formador não se irritava se vc passava horas em crise vocacional conversando com ele… PORÉM em todos os lugares há problemas, a infantilidade por parte de alguns “pseudo-vocacionados” (digo isso por que tem muitos que entram só pra estudar) acabou me tirando dali, me arrependo, talvez, por que hoje a maioria deles já abandonou a caminhada. Hoje me sinto velho para começar tudo de novo, tenho contas para pagar e algumas metas a cumprir, quem sabe um dia a chama se reascenda. SOU MUITO GRATO aos 2 seminarios por que aprendi muito, por bem ou por mal (risos).

  14. Bem, vou comentar aqui a minha vida em 2 seminarios distintos. Em 2010, com 16 anos, entrei para o seminario da minha DIOCESE, fiquei dois anos e saí. Por que? Ora, tudo o que foi elencado no texto eu vivi na pele. Porém, a desvalorização do seminarista naquela diocese era o que mais chamava atenção. Nada nos era permitido, não podiamos por uma tunica sequer, não podiamos fazer pastoral, batina era sinonimo de expulsão. O reitor agragava a si alguns seminaristas, que em raras ocasioes (em missas com o bispo, na catedral) podiam usar tunica (mesmo assim tinha que ser tunica, branca, lisa e sem brocado ou estampa). Não tinhamos ajuda de custo para comprar materiais pessoais como perfume, desodorante, barbeador (“gilete/prestobarba”) escova de dentes, etc, o seminario fornecia tão somente sabonete e creme dental que em muitas vezes era doado pela comunidade externa. As camas não eram boas nem de longe, o colchão era daqueles fininhos (eu sentia a ripa da cama nas costas) e nem nas ferias rebiamos dinheiro para vir ver a familia, tudo era custeado pela propria familia, alguns seminaristas que nao tinham absolutamente nenhuma condição financeira o reitor dava um jeitinho e arrumava. A desvalorização era gigantesca, o seminarista muitas vezes era colocado como “vocacionado” ou seja, só tinha “valor” a partir da teologia, por que já estava na “boca do peixe” como o proprio bispo nos disse uma vez. Os estudantes cursavam filosofia e teologia interna (dentro do proprio seminario, sem reconhecimento do MEC). Diante de tantos “desaforos” retornei a minha casa, que nao é rica, mas que sei que não me faltava carinho e zelo. 2 anos se passaram e mais maduro resolvi fazer uma nova experiencia. Não digo que todos os seminarios diocesanos sejam assim, esse talvez seja a excessão e talvez com o novo bispo tenha melhorado muito, nunca mais retornei para ver como está. CONTINUA NO COMENTARIO DE CIMA ^

  15. Ola, tudo bem?
    Eu sou um ex-seminarista do seminario diocesano de Sao Jose Cabo verde «seminario menor» durante quatro anos, estudei os meus estudos secundarios e o primeiro ano de Filosofia. eu deixei o seminario a bem pouco tempo, e o meu desejo e de voltar, ao lar. agora eu pretendo saber como agir e como me comportar agora que estou fora e quais as medidas a tomar para nao perder muito o ritimo.
    Ainda como me comportar depos de voltar , se Deus quieser, ao seminario?

    obrigado Paz e Bem !!!

  16. meu filho Douglas tem 20 anos e estar querendo ir pra o seminário de salgueiro, vai iniciar nos encontros vocacionais dia 18,19,20 de agosto,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s